O que o e-Learning (ou storytelling) têm em comum com bons filmes?
19
Sex, Jul

O que o e-Learning (ou storytelling) têm em comum com bons filmes?

Notícias EAD
TIPOGRAFIA

Você pode não saber mas a produção de filmes têm muitas coisas em comum com a produção de bons projetos de e-learning . Ambos procuram cativar seu público e produzir uma história memorável, e ambos podem simplesmente ser horríveis caso não tenham sido produzidos corretamente.

Você pode não saber mas a produção de filmes têm muitas coisas em comum com a produção de bons projetos de e-learning . Ambos procuram cativar seu público e produzir uma história memorável, e ambos podem simplesmente ser horríveis caso não tenham sido produzidos corretamente.

A correlação entre bom eLearning e bons filmes: Você já assistiu a um filme recentemente – um realmente bom? Você ficou encantado? Não foi possível tirar os olhos dele? Eu tive esse insight esses dias…Como qualquer outro designer instrucional, eu imediatamente fiz a correlação entre este filme e a experiência maravilhosa do eLearning. Pense comigo: os filmes e processos de produção do eLearning possuem semelhanças tanto em termos de processo de criação quanto teoria geral de entretenimento. “Agora, espere aí”, você pode estar pensando. “Os filmes são puramente para o entretenimento, enquanto eLearning é mais grave. É …aprendizado. No entanto, se mudássemos o curso para um sistema de entretenimento será que faria alguma diferença? Ahammmm. O fato é que, tanto quanto os que criam cursos acadêmicos (profissionais de eLearning) ou os que criam filmes de grande sucesso de verão, ambos estão, basicamente, tentando fazer as mesmas coisas. Exemplo: Projetar para manter a atenção na duração do evento de aprendizagem / filme, torná-lo memorável (ou seja, reter o conhecimento). As semelhanças não param por aí.

Veja mais algumas considerações:

Efeitos Especiais / Tecnologia.

Efeitos sonoros e visuais especiais de modo que os filmes se tornem maiores que a vida. Com a ajuda de realidade aumentada, design de animações, naves podem voar e atores podem fazer apenas uma póstuma em aparições na tela. É óbvio, a tecnologia pode melhorar algumas cenas porém não aumenta e nem substitui uma boa história. O mesmo pode ser dito do e-Learning: Simplesmente jogar gráficos chamativos e animações não farão com que o aluno absorva ou faça a correta transferência do conhecimento. Na verdade é perturbador e pode impedir erudição. A tecnologia é uma ferramenta incrivelmente versátil para enriquecer o aprendizado, mas certamente vai deixar de cumprir esse objetivo, se usado em um vácuo de instrução.

História / Desenvolvimento de Informações.

Você já assistiu a um filme em que foram introduzidos personagens, enredo foi explicado, e reviravoltas intrigantes foram todos entregues dentro dos primeiros cinco minutos? Eu duvido que esse filme não receba uma vaia, assim como também é prevalecente em treinamentos. O sistema de navegação, objetivos e todo o conhecimento necessário são despejados sobre o participante, dentro dos cinco primeiros slides. Mas e daí? O que acontece com a construção de um enredo de suspense quando apresentamos as inferências todas no início? Durante o curso eLearning você acaba lançando estratégias educacionais de aprendizagem construtivista. Uma maneira simples de implementar isso é através da aprendizagem ramificada: criar uma história de aprendizagem baseada em enredo onde você vai ganhando velocidade e envolvendo os seus alunos. Um número crescente de designers estão trazendo à tona situações da vida real de seus especialistas de conteúdo durante as fases iniciais de desenvolvimento de um curso. Estas estratégias permitem ao aluno experimentar a instrução ativa em vez de tê-lo passivamente alimentado a eles.

Atores / Instrutores:

Um bom filme pode ter uma grande atuação. Agora: substitua o filme e ator pela classe e pelo instrutor. Há uma lenda urbana ganhando impulso de que o eLearning acabou com a necessidade da presença do instrutor, e que cada aluno com um dispositivo móvel se tornará um (self-student) ou estudante auto-instrutivo. Eu já expressei minha opinião de que a tecnologia usada em conjunto com excelente ensino é uma combinação poderosa, mas não vai provocar os mesmos resultados sem a orientação do instrutor. Isso não significa sempre sessões síncronas. Os instrutores também podem fazer sua presença reconhecida por participar de discussões online ou incluindo feedback quando eles retornam com as suas atribuições sobre determinado conteúdo do curso.

Movie Poster / marketing.

Sabe aqueles cartazes ou postres sobre os filmes, com aquela chamada imapctante? O tema a comercialização de seus cursos de eLearning também pode lançar mão desta premissa para atrair um público mais amplo. Será ainda mais relevante uma chamada para aqueles profissionais que estejam em formação profissional – cujo objetivo é continuar aprendendo e se qualificando. Costumo dizer: lançar uma estratégia de marketing para um curso é o mesmo que enviar uma caixa de playmobil para seus filhos. Dentro da caixa sempre vem aquele prospecto (para o horror dos papais…rsss…) com novos brinquedos que complementam a brincadeira. No entanto, o conceito geral de fazer seu curso eLearning mais atraente para seu público deve ser universal e com todas aquelas chamadas que fazem efeito. Ex: um curso que te coloca no mercado…e assim por diante.

Bom…Você não tem que ser um vencedor do Oscar para criar eLearning sólido, criativo e que retenha a atenção do seus alunos. Mantendo o aluno centrado com conteúdos que sejam interessantes e relevantes…certamente vai manter seus alunos ativos e você vai ajudá-los a aprender o conteúdo mais a fundo – que é o objetivo final.

Fonte: Ibdin
Publicado em: 24/03/2016