O futuro da Educação é híbrido e começa em 2019
18
Seg, Dez

O futuro da Educação é híbrido e começa em 2019

O futuro da Educação
Notícias EAD
TIPOGRAFIA

Cada vez mais me convenço que o futuro de qualquer coisa ou área, no planetinha azul, é híbrido com uma dose de realidade aumentada e inteligência analítica (IA), que serão progressivamente incorporadas. Mas, o que merece destaque no nosso diálogo de hoje é que ele (o futuro) não SERÁ híbrido: ele já é híbrido e você (talvez) ainda não tenha se dado conta em como isso já está no seu dia a dia.

Cada vez mais me convenço que o futuro de qualquer coisa ou área, no planetinha azul, é híbrido com uma dose de realidade aumentada e inteligência analítica (IA), que serão progressivamente incorporadas. Mas, o que merece destaque no nosso diálogo de hoje é que ele (o futuro) não SERÁ híbrido: ele já é híbrido e você (talvez) ainda não tenha se dado conta em como isso já está no seu dia a dia.

Vamos abrir os olhos e dar uma boa analisada na praia da Educação, que é onde eu surfo melhor?

O que tem marcado influência nas transformações que acompanhamos pelo mundo, basicamente, é o fato de as gerações estarem se sucedendo nos espaços sociais e profissionais, e exercendo sua influência sobre eles.

Aos poucos, jovens que cresceram digitalmente vão chegando às salas de aula, ao mercado de trabalho, às universidades. Eles trazem para esses espaços comportamentos diferentes em relação às gerações que chegaram aos mesmos espaços, antes deles. E, em breve, a eles se somarão também os que nasceram digitalmente.

Nossa primeira regra para exercitar o futurismo é conhecer a história e os desdobramentos relevantes para o atual status quo. Por ser docente há três décadas – e, (obviamente!), não ser nativa digital – ter vivido todas as transformações que o mundo do trabalho sofreu, nos últimos 30 anos, foi um exercício de superação de conceitos, práticas e paradigmas. Além disso, foi necessário desenvolver novas trilhas mentais e uma nova maneira de observar, analisar e concluir sobre o mundo que me cerca e onde atuo, profissionalmente.

Novamente o mundo muda, mas dessa vez estamos vivendo uma era de mudanças, mas passamos a viver, interagir e trabalhar em uma “mudança de era”. Esse é o atual status quo. Não, não é uma questão de trocadilho ou semântica: é um fato que não pode ser deixado de lado.

Mas, porquê mesmo o futuro da Educação é híbrido?

Os elementos relevantes para esse status quo, e que são a base para traçar um raciocínio futurista, envolvem:

(1) o mindset do novo século (mentalidade, ou ainda, forma de ver o mundo e as coisas) inegavelmente tecnocêntrico mas, quase paradoxalmente, altamente empático (empatia é uma discussão que quero trazer a vocês num próximo texto, porque ela é a base de toda a transformação que estamos vendo nesse novo mundo do trabalho);

(2) a acessibilidade tecnológica das últimas duas décadas, influenciando comportamentos, hábitos de consumo e volume de dados e informações disponíveis, em qualquer área do conhecimento;

(3) a transversalização como marca de uma nova geração de processos, produtos e serviços, onde profissões, especialidades e tecnologias interagem de forma diferente, demandando formações híbridas e perfis profissionais mais flexíveis e empáticos (olha a empatia aí de novo!).

Para quem ainda não sabe bem o que é o tal “híbrido”, vou dar um exemplo que mostra o quanto já somos híbridos: as atividades bancárias que você usa, são híbridas. Isso significa que parte delas são mediadas por tecnologias e à distância da sua agência bancária (aplicativos de smartphones, caixas eletrônicos), e a outra parte é possível somente com sua presença no banco. Isso é hibridismo, e isso é o futuro da Educação… Concordam? Vamos continuar analisando os fatos.

A segunda regra é conhecer o que estabelece o atual status quo desse tema, ou seja, aquilo que o faz ser o que é, nos dias de hoje.

No caso da Educação Superior, já mencionamos a legislação em texto anterior, mas agora cabe destacar um fato novo, que corrobora para a transformação total do futuro das salas de aula: a nova Base Nacional Curricular Comum (BNCC) que transforma a visão do processo de “educar e formar”, bem diferente de “ensinar e diplomar”. Divergências à parte, a BNCC é uma grande onda de tsunami que compelirá todo o sistema a se repensar e se reorganizar. Ou aprende a nadar e surfar nesse tsunami, ou naufraga e se afoga.

Aprovada (finalmente) agora, em 2017, já tem cronograma de implantação a partir de 2018 (texto final deve ser publicado em breve), e promoverá uma reviravolta na formação da nova geração de estudantes. “Itinerários e eixos formativos”, além dos “mosaicos de aprendizagem”’, são algumas das novas expressões que fazem parte da nova maneira de construir a aprendizagem.

Essas mudanças vão acabar por impactar todo cenário da Educação Básica e seus atores, como estudantes, professores, coordenadores, pais e sociedade. Boa parte delas traz o híbrido – combinação orquestrada didaticamente entre o presencial e o digital – como alavanca para a desejada personalização da aprendizagem. Porém, mais que transformar o modo como a Educação Básica formará o novo estudante, o novo modelo tem o potencial de promover novas atitudes e performance no estudante.

Já a partir de 2019 o Ensino Superior começará a receber estudantes egressos desse novo ensino médio. Após isso, progressivamente até 2027, passaremos por uma transição em que Ensino Superior receberá jovens egressos que cursaram um número progressivamente maior de anos de estudo sob a égide dessa nova BNCC.

Portanto, existem dois pontos de inflexão claros na curva de necessidades de inovação em modelos de aprendizagens ativas, por parte de professores e cursos no Ensino Superior:

(a) 2020, com o começo do aporte de um novo mindset estudantil, embora com apenas dois anos de vivência nesse novo ensino médio;

(b) 2028, quando todos os estudantes que passarem ao Ensino Superior serão egressos de uma nova Educação Básica, regida pela nova BNCC.

Com esse cenário em mente, vamos à última regra: acompanhar e conhecer os elementos de inovação incremental e disruptiva que são intervenientes sobre o status quo do tema. Bom, é aqui que o hibridismo atual se expande e se associa a outras tecnologias educacionais incrementais, mas com fortes tendências disruptivas.

Se em cerca de três anos (2020) os estudantes formados por, e dentro de, uma prática educacional diferente chegarão à sala de aula universitária, a própria sala de aula já precisa ter sido ressignificada. Hoje já se praticam os “espaços de aprendizagem”, elas perdem suas paredes e ganham o mundo, porque os estudantes não irão mais às aulas em busca de “conteúdo”. Conteúdo, de tudo em todas as áreas, é farto e abundante, e está a um clique dos dedos e na palma das mãos.

Então, nesse futuro híbrido, porque irão os estudantes para as aulas, as salas, as universidades?

Pelo mesmo motivo que os jovens buscavam seguir e aprender com Sócrates e Aristóteles, na antiguidade: porque o maior valor de um professor é sua expertise em transmutar conteúdo para conhecimento, conhecimentos para significação, significação para insights, e insights para inovação.

De uma certa maneira, o hibridismo na Educação terá o potencial de nos levar de volta à Grécia antiga, quando nasceu o sentido do “professar”, e assim, do “professor”. Nesse futuro híbrido, nós professores abandonaremos as práticas de “repetir conteúdo” e assumiremos atitudes que reverberam para o tutorar, o inspirar, o engajar, e o dividir responsabilidades, no processo de formação profissional. Literalmente, passaremos a desenhar trilhas de aprendizagem.

É por isso que o Futuro da Educação, no Brasil, é híbrido e começa em 2019, tendendo a uma grande virada (disruptiva, talvez) aproximadamente em 2028.

Entre esses momentos, competências para trabalhar entre o presencial e o digital serão requisitos básicos para a nova geração de profissionais da Educação. Aliás, essa não será mais uma geração de “professores que professam”, mas uma geração de designers educacionais, ou desenhistas de aprendizagens integrativas e significadas. Uma competência muito diferente, e muito mais ampliada, do que o atual Designer Instrucional.

O presente já é híbrido, afinal. O que deve acontecer é que, num breve futuro, toda a nossa vida, incluindo a Educação, será completamente híbrida e pautada em novos e diferentes paradigmas. Cabe a nós abrir os olhos para os sinais à nossa volta e “droparmos” esse tsunami. Educação é nossa praia e aprender a surfar, desde já, é a conclusão desse nosso exercício.

Fonte: O Futuro das Coisas