Profissionais da saúde ganham treinamento online para atender mulheres vítimas de violência em MS
18
Qua, Out

Profissionais da saúde ganham treinamento online para atender mulheres vítimas de violência em MS

 treinamento online para atender mulheres vítimas de violência
Notícias EAD
TIPOGRAFIA

Direcionado a todos os profissionais de saúde do Estado, foi lançado terça-feira (3.10), no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), o curso de Educação a Distância (EaD) “Atenção à Mulher em Situação de Violência” que terá como objetivo qualificar profissionais que atuam na rede de atendimento dos municípios em diversas áreas. O curso, que será disponibilizado no site do Telessaúde, integra o projeto “EmPENHAd@as pela Saúde” onde são desenvolvidas ações em defesa da mulher.

Direcionado a todos os profissionais de saúde do Estado, foi lançado terça-feira (3.10), no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), o curso de Educação a Distância (EaD) “Atenção à Mulher em Situação de Violência” que terá como objetivo qualificar profissionais que atuam na rede de atendimento dos municípios em diversas áreas. O curso, que será disponibilizado no site do Telessaúde, integra o projeto “EmPENHAd@as pela Saúde” onde são desenvolvidas ações em defesa da mulher.

De forma gratuita, as aulas estarão disponíveis no site do Telessaúde (núcleo MS), a partir do dia 15 de outubro. Serão quatro módulos, cada um com três aulas, que irão abordar os diversos aspectos da violência contra a mulher, como rede de atendimento, violência sexual, as boas práticas no parto, atendimento da assistencial social, além de aspectos jurídicos, psicológicos e sociais da violência de gênero.

O curso de EaD é uma iniciativa do Tribunal de Justiça, por meio da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), a Subsecretaria de Políticas Públicas para as Mulheres, a Escola Jurídica de Mato Grosso do Sul (Ejud/TJMS), Superintendência Geral de Gestão do Trabalho e Educação da Saúde, além da Maternidade Cândido Mariano.

As instituições assinaram um Termo de Colaboração em uma solenidade onde o secretário de Estado de Saúde, Nelson Tavares, representou o governador Reinaldo Azambuja.

Dados
A cada dois minutos são registrados cinco espancamentos de mulheres no Brasil, segundo a coordenadora estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar, a juíza Jacqueline Machado.

“Esses números a gente reduz com educação, se reduz com parcerias e projetos, mas não só com repressão. A repressão é necessária, a responsabilização é necessária, mas a educação tem papel fundamental. O curso vem para atender esse objetivo, que é educar, orientar os profissionais de saúde que atendem a mulher violentada, para que esse profissional possa realmente entender as especificidades desse tipo de violência e dar o atendimento mais adequado”, disse.

“Os dados apresentados são lamentáveis, mas são verdadeiros. A obrigação da subsecretaria é articular os órgãos de combate com a sociedade civil, com as outras pastas, com o sistema de justiça e segurança. O objetivo é ampliar, qualificar e humanizar o serviço de saúde oferecido às mulheres em situação de violência”, afirmou a subsecretária de Políticas Públicas para Mulheres, Luciana Azambuja.

Para a ex-secretaria nacional de Enfrentamento da Violência Contra as Mulheres, Aparecida Gonçalves, o curso de EaD vai facilitar o acesso de profissionais e também da sociedade civil que tiver interesse.

“Um dos desafios do enfrentamento da violência contra as mulheres é saber como atender , é saber o que fazer nos casos de violência, o que muitas vezes inviabiliza os atendimentos. O curso vai ajudar os profissionais a fazer um bom atendimento e com isso garantir que as mulheres não fujam do serviço. O grande desafio é fazer com que essas mulheres que sofrem violência continuem no serviço público para receber atendimento e ter a sua autoestima recuperada”, afirmou Aparecida.

Durante o lançamento do curso, a superintendente geral de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde – Telessaúde, Maria de Fátima Meingberg Cheade, afirmou que é preciso discutir o processo de trabalho do profissional da saúde que, muitas vezes, faz o primeiro contato com a mulher violentada.

“O acordo de cooperação visa a criação e viabilização do curso de Atuação à Mulher em Situação de Violência, que objetiva discutir a atenção no atendimento às mulheres que estão em situação de violência, seus direitos, suas dificuldades, os aspectos sociais e psíquicos dessa violência, além das boas práticas e a rede de atendimento”.

O Brasil é o quinto país que mais mata mulheres no mundo, conforme dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). A taxa de feminicídios é de 4,8 para 100 mil mulheres. Em 10 anos, de 2003 a 2013, o número de assassinatos de mulheres negras cresceu 54%, saltando vertiginosamente de 1864 para 2875 casos, segundo o Mapa da Violência publicado em 2015.

A cada 1 hora e meia uma mulher morre no Brasil, vitima de violência, a cada 11 minutos um estupro acontece e a cada dois minutos cinco espancamentos são registrados. “Isso tudo deságua no judiciário, deságua na saúde. Precisamos unir esforços e combater o que já virou uma pandemia”, disse a juíza.

Fonte: MS Notícas