Mensalidade média de universidade cai 5,6%
18
Sab, Nov

Mensalidade média de universidade cai 5,6%

Mensalidade média de universidade cai 5,6%
Notícias EAD
TIPOGRAFIA

Com o redimensionamento do Fies, financiamento estudantil do governo federal, as instituições de ensino superior entraram em guerra de preço e o valor das mensalidades dos cursos presenciais caiu 5,6% entre 2016 e 2017. Nos cinco anos anteriores, período que coincide com o boom do programa, as mensalidades acumularam uma alta de 22%. Os dados são do estudo anual da consultoria especializada em educação Hoper. "As instituições diziam que não entrariam em guerra de preço, mas o fato é que há sim.

Com o redimensionamento do Fies, financiamento estudantil do governo federal, as instituições de ensino superior entraram em guerra de preço e o valor das mensalidades dos cursos presenciais caiu 5,6% entre 2016 e 2017. Nos cinco anos anteriores, período que coincide com o boom do programa, as mensalidades acumularam uma alta de 22%. Os dados são do estudo anual da consultoria especializada em educação Hoper. "As instituições diziam que não entrariam em guerra de preço, mas o fato é que há sim.

O problema é que as escolas estão ofertando tantos descontos que perdem seu referencial e têm dificuldades para voltar ao patama real' disse Paulo Presse, consultor da Hoper. Ele contou que as promoções têm sido tão exageradas que a própria consultoria teve dificuldades para mensurar o tíquete médio do setor. Em 2017, o valor médio da mensalidade da graduação presencial é de R$ 778,96.

No ensino a distância, a queda nas mensalidades foi ainda mais expressiva, com uma redução de 9,5% para R$ 279. Porém, nesse caso, o motivo não foi o Fies, uma vez que não há crédito para essa modalidade. A baixa é explicada pela entrada de novas faculdades no segmento e ganhos de escala obtido pelos grandes grupos.

Ainda de acordo com levantamento da Hoper, o setor de ensino superior privado encerrou o ano passado com uma receita líquida de R$ 55 bilhões - um aumento nominal de 12% e alta real de menos de 1%, considerando um IPCA de 10,67% apurado em 2016.

Leia na íntegra aqui.

Por Beth Koike | São Paulo

Fonte: Valor