A internet está expandindo as opções educacionais
16
Sex, Nov

A internet está expandindo as opções educacionais

A internet está expandindo as opções educacionais
Notícias EAD
TIPOGRAFIA

Nos EUA, a rede se tornou uma alternativa prática para aqueles que buscam escapar das escolas públicas.

Nos EUA, a rede se tornou uma alternativa prática para aqueles que buscam escapar das escolas públicas.

Todos sabem que o sistema educacional público dos Estados Unidos é uma bagunça. O governo tem um monopólio da educação criado pelas leis de atendimento obrigatório e tributação confiscatória. Em outras palavras, o governo usou a coerção para estabelecer um sistema uniforme que suprime a concorrência. Esse monopólio certamente gera ineficiência e ineficácia. E o controle de cada estado no treinamento de seus professores e no conteúdo do currículo apenas piora o problema.

Reformas de Escolha Educacional
Embora o sistema educacional público já tenha feito muitos danos desde a sua criação, em meados dos anos 1800, ainda há esperança para o futuro. Muitos americanos estão cansados do sistema atual e estão procurando alternativas.

Eles percebem que o sistema governamental restringe a liberdade e impede a concorrência e, portanto, estão buscando reformas que ofereçam mais “escolha” na educação. As reformas escolares mais populares hoje são: (1) charter schools; (2) vouchers escolares; e (3) créditos fiscais.

As charter schools são escolas financiadas pelo governo que são independentes do sistema estadual. Como têm menos regulações, elas são pensadas para introduzir maior concorrência entre as escolas. As charter schools são escolas públicas, embora uma versão um tanto descentralizada.

Não são escolas “privadas”, como seus críticos (geralmente sindicatos de professores) costumam dizer. Embora essas escolas autônomas ofereçam mais escolha do que as escolas públicas tradicionais, elas ainda envolvem impostos e são, portanto, controladas pelo governo. As charter schools não cobram mensalidades e, desta forma, não possuem um mecanismo de retorno do consumidor. Isso significa que elas evitam as forças normais do mercado que aumentam a qualidade, diminuem os custos e atendem as demandas dos consumidores.

Vouchers escolares, outro esforço de reforma popular, permitem que os pais apliquem seu dinheiro de impostos em escolas privadas. Os vouchers, portanto, expandem a escolha da escola além das charter schools. No entanto, em vez de reduzir o envolvimento do governo na educação, os vouchers na verdade aumentam os gastos do governo para cobrir as escolas privadas. Mais gastos governamentais exigem maior tributação e/ou inflação monetária. Além disso, o dinheiro de impostos significa controle do governo. Embora os regulamentos estaduais não possam ser aplicados inicialmente em escolas privadas que recebam dinheiro de voucher, certamente seguirão esse caminho.

Há sempre uma cadeia anexada ao dinheiro dos impostos, e o estado caminhará lentamente para regular os currículos e os requisitos dos professores. As escolas privadas devem procurar libertar-se do controle do governo, não se escravizarem.

Uma proposta de alternativa aos vouchers escolares é o crédito fiscal para educação. Isso proporcionaria um crédito fiscal estadual ou federal para despesas educacionais pagas pelos pais dos estudantes, como a taxa de matrícula da escola particular. (Um crédito tributário envolve uma redução nos impostos devidos, enquanto que a dedução fiscal alternativa é apenas uma redução no lucro tributável.) Outra variação fornece um crédito tributário para pessoas físicas ou jurídicas que contribuem para bolsas sem fins lucrativos.

Sugere-se que os créditos tributários impedem o pagamento de impostos diretamente às escolas privadas (ao contrário de vouchers) e, portanto, limitam a regulamentação governamental. No entanto, os créditos fiscais não impedem a regulamentação estadual, já que o governo ainda deve decidir quem é elegível para o crédito tributário. As escolas e as famílias devem atender aos requisitos de tais créditos, dando assim ao governo ainda mais controle sobre a educação. Além disso, os créditos fiscais, como os vouchers, resultam em menos receita tributária para as escolas públicas. A menos que o governo, por sua vez, reduza os gastos (o que ele costuma ter dificuldade para fazer), compensará isso aumentando os impostos em outros lugares.

Nenhuma das reformas de escolha educacional aborda o problema inicial das escolas públicas – que é o governo estar envolvido na educação. As charter schools ainda são escolas públicas, enquanto os vouchers escolares e os créditos fiscais reforçam ainda mais o controle do estado na educação, estendendo o seu controle sobre a educação privada. Além disso, tanto vouchers quanto créditos tributários envolvem um apoio tácito a coerção governamental, pois seus defensores procuram trabalhar dentro do atual sistema tributário que viola grosseiramente nossos direitos de propriedade privada. Em vez de oferecer uma aprovação tácita do sistema, pedindo incentivos fiscais individuais, devemos condenar o sistema exigindo cortes de impostos gerais. Isso daria mais dinheiro a todos para gastar em educação sem as amarras legais envolvidas com vouchers e créditos fiscais.

A Internet e a Verdadeira Liberdade Educacional
A questão é que as charter schools, os vouchers e os créditos fiscais não vão longe o suficiente. O que as famílias realmente precisam é se libertar do governo na educação. Os reformadores da educação devem se contentar com nada menos que um sistema de livre mercado, pois apenas o livre mercado pode criar a competição que gera educação de alta qualidade e acessível com uma variedade de opções para atender às necessidades de cada família. Isso não acontecerá até que o monopólio do estado seja quebrado. Quando isso acontecer, todos pagarão impostos mais baixos e terão mais dinheiro para gastar em educação. Todas as famílias serão forçadas a pagar por sua própria educação, o que criará um mercado aquecido e altamente competitivo. Escolas de todos os tipos surgirão – escolas religiosas, escolas de educação universitária, escolas de necessidades especiais e muito mais. As escolas serão diferentes em termos de perspectiva, custo e qualidade. E isso beneficiará a todos.

O monopólio da escola pública pode ser quebrado? Sim, mas exigirá que as pessoas em geral deixem as escolas públicas para derrubar o sistema.

Enquanto as escolas públicas certamente estão fazendo coisas que contribuem para um êxodo em massa, elas ainda têm muitos pontos fortes. As escolas públicas têm a fidelidade de muitos cidadãos devido à sua tradição, têm aliados políticos e têm dinheiro de impostos. A superação dessas barreiras exigirá uma opção educacional alternativa que seja mais favorável para as escolas públicas.

Essa alternativa parece ter surgido na educação online. A internet está disponibilizando um excelente conteúdo educacional a baixo custo, tornando-a particularmente adequada para homeschooling individual e em grupo. A prática de homeschooling teve um aumento de cerca de 62% em uma década, e a crescente demanda do mercado por currículos de homeschooling está sendo encontrada com o desenvolvimento de novos conteúdos educacionais online a cada ano. Sites como o Khan Academy oferecem educação acessível através de vídeos e fóruns online. E eles fornecem professores reconhecidos mundialmente aos quais os alunos não teriam acesso em um ambiente tradicional.

Em outras palavras, a internet está revolucionando a educação. Está expandindo a “escolha” educacional através do livre mercado de forma que nenhuma escola pública jamais poderia. Os pais podem escolher entre uma variedade de currículos para atender às necessidades de seus filhos. Eles podem escolher professores e cursos que se alinhem com seus pontos de vista políticos e religiosos, e eles podem selecionar o estilo de ensino que acreditam ser melhor para ajudar seus filhos a aprender. Esse tipo de escolha educacional não está disponível nem mesmo nas melhores escolas privadas.

O homeschooling é uma tendência bem-vinda que retira a educação do controle do estado e a devolve à sua esfera apropriada, a da família. Não é uma prática nova, mas sim um retorno ao modelo tradicional de educação americano antes de meados do século XIX (fora da Nova Inglaterra).

O homeschooling tem a vantagem significativa de permitir que os pais adaptem a educação de seus filhos às suas necessidades e interesses específicos. A internet é, na verdade, apenas uma ferramenta para ajudar nessa tarefa. Mas é uma ferramenta revolucionária. E está fornecendo uma alternativa de alta qualidade e financeiramente viável para aqueles que procuram escapar das escolas públicas.

Zachary Garris (MDiv, Reformed Theological Seminary) é autor do livro “Thinking Biblically about Education” (“Pensar Biblicamente sobre Educação”, em tradução livre) e escreve regularmente no TeachDiligently.com

Tradução: Andressa Muniz.

Fonte: Gazeta do Povo