Número de brasileiros de baixa renda que se formam aumentou nos últimos anos
11
Ter, Dez

Número de brasileiros de baixa renda que se formam aumentou nos últimos anos

Número de brasileiros de baixa renda que se formam aumentou nos últimos anos
Notícias EAD
TIPOGRAFIA

Houve um aumento de estudantes com renda inferior a três salários mínimos que terminaram uma graduação.

Houve um aumento de estudantes com renda inferior a três salários mínimos que terminaram uma graduação.

De acordo com o mapa do Ensino Superior no Brasil 2017, elaborado pelo Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp), o número de pessoas nas faixas de renda inferiores a três salários mínimos e das classes C e D que completaram cursos de graduação no ensino privado aumentou em relação ao estudo anterior. Esse levantamento faz um panorama detalhado sobre a educação superior no país.

A pesquisa mostra que houve um aumento de 4,7 pontos percentuais na faixa com renda familiar de até 1,5 salário mínimo, o que representa 13,5% dos formados. Entre os estudantes com renda familiar entre 1,5 e 3 salários mínimos, o crescimento foi de 3,4 pontos percentuais, representando 26% dos estudantes concluintes do Ensino Superior e a maior parte dos formados.

Entre os fatores que podem ter influenciado essa ascensão das classes mais baixas estão o crescimento econômico no começo da década e os diversos programas oferecidos pelas universidades privadas e pelo governo federal, como Fies (Programa de Financiamento Estudantil) e Prouni (Programa Universidade para Todos).

Os dados mais recentes são de 2015. No referido ano, houve um aumento de 9,3% no número total de concluintes de cursos presenciais e 23% no número total de estudantes no ensino a distância (EAD).

Essa segunda modalidade tem apresentado uma curva ascendente. O melhor custo/benefício, a flexibilidade de horários e a possibilidade de estudar de qualquer lugar com acesso à internet são alguns dos atrativos do EAD. A modalidade conta com graduação e pós-graduação de instituições de ensino avalizadas pelo MEC, além de cursos livres. Entre 2009 e 2015, houve um crescimento de 66% nas matrículas em cursos a distância.

Os cursos mais procurados por faixa etária nas instituições privadas de ensino em 2015 foram os presenciais de direito (765 mil matrículas), administração (506 mil) e engenharia civil (300 mil). Na faixa etária até 24 anos, os preferidos foram direito, administração e engenharia civil; entre 25 e 44 anos, direito, administração e enfermagem; e acima de 45 anos, direito, pedagogia e psicologia.

A maioria dos alunos matriculados em cursos presenciais está na faixa etária de 19 a 24 anos (52,3%). No ensino público, esse número é ainda maior: 57,8%, ante os 50,1% registrados na rede particular de ensino.

Fonte: Capital News