Estudantes criam app de acessibilidade que transforma Libras em alfabeto gráfico
11
Ter, Dez

Estudantes criam app de acessibilidade que transforma Libras em alfabeto gráfico

Estudantes criam app de acessibilidade
Notícias EAD
TIPOGRAFIA

Ferramenta facilita a comunicação de pessoas com deficiência auditiva e foi desenvolvida durante Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de alunos da Fatec de Araçatuba (SP).

Ferramenta facilita a comunicação de pessoas com deficiência auditiva e foi desenvolvida durante Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de alunos da Fatec de Araçatuba (SP).

Com o objetivo de promover inclusão social, estudantes recém-formados da Fatec de Araçatuba (SP) criaram um aplicativo de acessibilidade que transforma a Linguagem Brasileira de Sinais (Libras) no alfabeto gráfico.

De acordo com Larissa Gomes e Rafhael Prates, que desenvolveram o projeto, a ferramenta facilita a comunicação de pedagogos com alunos que têm deficiência auditiva e também ajuda pais e familiares a conviverem melhor com crianças com surdez.

“O aplicativo é para quebrar a parede que dificulta a comunicação”, explicam os tecnólogos em Análise e Desenvolvimento de Sistemas.

No HandsFree, nome do app, o usuário aprende Libras a partir de gifs animados que ensinam qual movimento é respectivo à letra do alfabeto.

“A pessoa vê o símbolo no gif e vai para a câmera do celular para ver se faz corretamente. O aplicativo também é uma rede social que permite a comunicação de professores e interessados em aprender Libras”, explica a professora e orientadora do projeto Lucilena Lima.

A criação, que foi desenvolvida em mais de um ano e apresentada como Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) ainda não está disponível em lojas de aplicativos, já que a intenção é aprimorar a ideia.

“O aplicativo ainda não é um produto pronto para ser disponibilizado, mas já tem retorno voltado às pesquisas acadêmicas”, pontua.

Outros aplicativos voltados à acessibilidade de deficientes auditivos existem, mas segundo os pesquisadores e criadores, o HandsFree é o único que une a rede social e o conhecimento em Libras de forma gratuita.

Segundo Larissa, o projeto deve sofrer mudanças para também melhorar seu nome, já que Libras é uma linguagem brasileira. “Estamos pensando em um novo nome para o aplicativo e que seja em português. Nada melhor do que um nome que faça jus ao que o aplicativo oferece.”

Para os pesquisadores, criar um aplicativo que é benéfico para a sociedade foi uma experiência positiva e inesquecível. “Foi muito gratificante ver que um projeto poderia não somente beneficiar uma pessoa, mas um grupo, a sociedade como um todo”, diz Rafael.

Já a professora, orgulhosa com o resultado, afirma que tem satisfação de aprender e ao mesmo tempo auxiliar a sociedade.

“Sempre digo para meus alunos que é uma alegria poder unir o aprendizado do ambiente acadêmico e revertê-lo para a sociedade. É gratificante. É capaz de tornar a vida de alguém mais fácil”, conclui.

Fonte: G1