Como valorizar professores por meio da diferenciação de ensino
21
Dom, Out

Como valorizar professores por meio da diferenciação de ensino

Como valorizar professores por meio da diferenciação de ensino
Notícias EAD
TIPOGRAFIA

Em artigo, pesquisador diz como combinar a tecnologia das plataformas adaptativas e o desenvolvimento pessoal para melhorar a aprendizagem.

Em artigo, pesquisador diz como combinar a tecnologia das plataformas adaptativas e o desenvolvimento pessoal para melhorar a aprendizagem.

por George R. Stein 4 de junho de 2018

Em uma época que a tecnologia viabiliza o uso de recursos para direcionar conteúdos, exercícios e avaliações conforme o nível de conhecimento e habilidade de cada aluno, não faz mais sentido pensar a educação sem que se possa diferenciar o ensino de acordo com as diferentes necessidades que existem entre os alunos. Porém, nesse cenário, o papel e a importância do professor pode parecer ficar em segundo plano. Essa percepção, além de não ser real, esconde o enorme potencial de valorização do professor e de melhoria do processo de ensino aprendizagem. Vamos analisar isso mais de perto:

A importância da diferenciação de ensino
A Diferenciação de ensino, como já tratada no Porvir, considera que os alunos são diferentes entre si e que os professores devem considerar essas diferenças para planejar, ministrar e avaliar aulas de modo que todos os alunos atinjam os objetivos de aprendizagem. O professor deve ser capaz de identificar que, dentre a diversidade de interesses, aptidões e perfis de aprendizagem em sala de aula, existem “grupos” de alunos com características semelhantes entre si. Para que todos os alunos atinjam os objetivos de aprendizagem, o professor utiliza diferentes estratégias didáticas conforme os diferentes “grupos” que ele concebeu e orientou.

A tecnologia é um grande facilitador da diferenciação de ensino, principalmente através das plataformas adaptativas. Essas plataformas oferecem diferentes roteiros de conteúdo, exercícios e avaliações de acordo com os resultados que alunos atingem em atividades dinâmicas com testes, vídeos, games, entre outros. Por trás dessa oferta diferenciada de roteiro de atividades, existe uma inteligência e uma agilidade computacional que professores não conseguem oferecer sem tecnologia e que são extremamente valiosas para se endereçar algumas das diferenças normais que se tem em qualquer sala de aula.

Porém, se por um lado a disponibilidade da tecnologia viabiliza um processo de ensino aprendizagem que até então era impossível, por outro lado pode erroneamente sugerir que a tecnologia basta para as melhorias que são necessárias. Antes de se pensar que a tecnologia pode diminuir a importância do papel do professor no processo de ensino aprendizagem, é importante questionar:

– O papel do professor continua sendo necessário quando se usa plataformas adaptativas para se diferenciar o ensino?
– O professor tem potencial de melhorar o processo de ensino diferenciado oferecido por plataformas adaptativas?

Felizmente, a resposta para as duas perguntas acima é sim!

A necessidade e a importância do professor
As plataformas adaptativas conseguem, através de conteúdos previamente programados e algoritmos, sugerir diferentes caminhos de aprendizagem que provém conteúdos e avaliações diferenciadas para os alunos. Porém vale lembrar que, conforme defende uma das maiores especialistas e referência mundial em diferenciação de ensino, Dra. Carol Ann Tomlinson (University of Virginia Curry School of Education), a diferenciação de ensino é necessária pois temos alunos com diferentes níveis de prontidão, interesse e perfil de aprendizagem. Nesse sentido, as plataformas conseguem ofertar diferentes experiências de aprendizagem para alunos com diferentes níveis de habilidade em relação ao objetivo de aprendizagem (especificamente em relação a prontidão). No entanto, ao analisar como as plataformas suprem a necessidade de diferenciar o ensino de acordo com o interesse e o perfil de aprendizagem dos alunos, percebe-se o real valor dos professores frente às plataformas. Será que é razoável admitirmos que todos os alunos terão interesse, afinidade e perfil de aprendizagem semelhantes para utilizar as plataformas de maneira efetiva?

O papel do professor na diferenciação
São somente os professores que conseguem identificar os casos em que o nível de interesse e o perfil de aprendizagem dos alunos acabam sendo contraproducentes ao se utilizar uma plataforma adaptativa. De maneira mais direta: cabe ao professor identificar e elaborar diferentes estratégias nesses casos. É o professor que está no dia-a-dia, conhece o aluno e pode perceber situações reais e momentâneas que um programa não está apto. Esse papel que é a grande oportunidade de valorização e o grande desafio do professor.

Oportunidade e desafio são dois lados da mesma moeda: o professor não é somente um profissional que deve ser capaz de diferenciar o ensino: ele é o elemento inicial e fundamental na diferenciação. Toda e qualquer ação coerente e integrada de diferenciação de ensino, para garantir que todos alunos tenham chances melhores de aprender, passam pelo professor.

Também fica evidente que a diferenciação deve começar pelos professores ao refletirmos: será que eles são todos iguais? Será que dois professores, com diferentes personalidades, fariam as mesmas opções de estratégias didáticas de diferenciação para uma mesma classe? Nesse caso, a resposta para ambas as questões é “não”.

Nem é preciso ser professor para saber que professores com diferentes personalidades têm preferências e hábitos didáticos (padrão costumeiro de atividades em sala) diferentes. De modo ainda mais impactante: professores diferentes têm diferentes maneiras de se relacionar e se conectar com alunos, conforme as personalidades envolvidas.

A qualidade do relacionamento entre professor e aluno, e a consequente qualidade da diferenciação que ele pode prover depende da consciência que ele tem da própria personalidade e de como ela pode impactar na relação professor-aluno, considerando as diferentes personalidades.

Umas das maneiras de se identificar a personalidade é por meio da Teoria dos Tipos Psicológicos, de Carl G. Jung, psicoterapeuta e psicanalista suíço que, nas décadas de 1920 e 1930, descobriu que as diferenças de comportamento entre as pessoas têm um padrão. Essa teoria foi aplicada para adultos, através de um indicador (por Isabel Myers e Katherine Cook Briggs, a partir da década de 1940) e aplicada para crianças (por Dra. Elizabeth Murphy e Charles Meisgeier, a partir da década de 1980). A personalidade, conforme Jung, Myers e Briggs, é definida pela maneira preferida que temos em focar nossa energia no cotidiano, perceber a realidade, tomar decisões e organizar nossa rotina.

O professor que se torna consciente da sua personalidade, percebe que muitos dos desafios de comportamento, e consequentemente de diferenciação e de aprendizagem, estão relacionados a maneira pela qual as suas estratégias em sala de aula dão conta de considerar as diferenças entre a sua personalidade e a dos alunos.

Mais do que isso, ao se tornar consciente, o professor tem a chance de assumir a responsabilidade para propor diferentes soluções para, ao mesmo tempo, diferenciar o ensino, melhorar relações com os alunos e melhorar a aprendizagem. Conforme a Dra. Elizabeth Murphy, uma criança que funciona sistematicamente de uma maneira distinta da sua maneira preferida, pode gerar frustração e estresse que podem ser canalizados para situações e comportamentos distintos e apresentar sintomas diversos e não claramente relacionáveis a prática de ensino. Ao assumirmos que uma plataforma adaptativa dá conta de toda a complexidade da diferenciação, estamos considerando que todos os alunos (e professores) irão interagir e aprender de maneira efetiva com a plataforma, e isso não é verdade.

A valorização considerando a realidade dos professores
Uma plataforma adaptativa é um recurso excepcional para parte da diferenciação de ensino que nossos alunos merecem, porém, somente com uma atuação consciente, atenta e responsável do professor é possível se ter uma diferenciação de ensino que considere a realidade, a personalidade de cada professor e a diversidade de personalidades dos alunos.

Cada professor tem sua realidade pessoal e desafios próprios na sala de aula. A real valorização dos professores por meio da formação continuada, além de um esforço aplicado de autoconhecimento, deve considerar a realidade em sala de aula e direcionar ações práticas para uma diferenciação de ensino que seja realmente possível de ser implementada. Os professores devem estar cientes do impacto que a personalidade pode ter no ensino e aptos a oferecer atividades que respeitem as diferentes personalidades das crianças, oferecendo atividades que equilibrem a dose certa de preferência e desafios para garantir a motivação e o desenvolvimento necessários.

Em 2017, foi desenvolvido um protótipo de Formação Continuada em Ensino Diferenciado por Preferências de Aprendizagem para professores e gestores de seis escolas estaduais do Estado de São Paulo. Mesmo sem o uso de plataformas adaptativas e sem um acompanhamento das escolas após a formação, os resultados foram positivos e elucidativos.

Todos os professores que tiveram a chance de conhecer sua personalidade, perceber o impacto da mesma na relação com os alunos, aplicar práticas simples consagradas de diferenciação baseadas na sua personalidade e nas preferências de aprendizagem dos alunos, perceberam o impacto positivo das práticas e recomendaram o curso para o restante do corpo docente.

O protótipo realizado indicou que, talvez mais do que a disponibilidade de tecnologia e recursos computacionais, a efetiva diferenciação de ensino se dá quando o professor reconhece-se como protagonista de modo abrangente e tem meios próprios para decidir, planejar e continuar aprendendo a melhor maneira de prover aprendizagem para seus alunos. Seja qual for a tecnologia, é o professor que fará a conexão entre a realidade do aluno, o conteúdo da aula e o sentido da aprendizagem. E essa é uma ótima maneira de valorizar o professor!

Fonte: Porvir