EAD cresceu 44% em quatro anos, indica estudo da FGV - Moodle Livre

Sidebar

09
Qui, Abr

EAD cresceu 44% em quatro anos, indica estudo da FGV

Notícias EAD

Dados se referem só à graduação. Oito maiores instituições de ensino privado reúnem 59% dos alunos a distância nesse nível.

No período de quatro anos, entre 2010 e 2014, o número de matrículas de alunos a distância em cursos de graduação no Brasil cresceu 44%. Mas é entre as maiores instituições de ensino privado que o crescimento surpreende e chega a 467% (entre as oito maiores) no mesmo período. Esses são resultados de um estudo realizado pelo Observatório do Ensino do Direito da Fundação Getulio Vargas (FGV), que baseou-se no cruzamento dos microdados do Censo do Ensino Superior, divulgado em dezembro do ano passado, com informações das próprias empresas e formulários de referência da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Segundo o levantamento da FGV, se forem consideradas apenas as empresas educacionais que mantém capital aberto na Bolsa de Valores, o crescimento do número de alunos a distância no mesmo período foi ainda maior, de 657%. E se for considerada apenas a líder Kroton, que assumiu outras instituições e se tornou o maior player de ensino privado do país, o crescimento percentual de alunos a distância foi ainda mais impressionante, de 700.000% (de 79 mil para 573 mil alunos).

Esse avanço sobre a demanda de alunos a distância fez com que haja uma grande concentração de estudantes em poucas instituições. O estudo concluiu que saltou de 15%, em 2010, para 59,1% o percentual dos alunos a distância do país que estão em apenas oito grandes instituições: cinco de capital aberto com ações na Bolsa de Valores (Anhanguera, Anima, Estácio, Kroton e Ser), dois grupos internacionais (DeVry e Laureate) e a Universidade Paulista (Unip). Quase metade dos alunos a distância do país (49,6%) estão matriculados nas cinco empresas de capital aberto citadas.

O crescimento não foi apenas na educação a distância. Na avaliação da educação em geral (presencial e a distância), o estudo concluiu que os alunos matriculados nos oito maiores grupos educacionais saltaram de 12,8% para 27,8% no período entre 2010 e 2014, um crescimento que foi acompanhado pelo volume de recursos que chegou a essas instituições por meio do Financiamento Estudantil (Fies), que saltaram de R$ 880,3 milhões em 2010 para R$ 13,7 bilhões em 2014.

Fonte: Ache seu Curso
Pulicado em: 14/06/2016