Moodle Livre

Sidebar

09
Qui, Abr

EaD deve superar preconceito e focar em qualidade, dizem especialistas

Notícias EAD

A educação a distância avançou nas últimas décadas, tanto em número de alunos quanto em eficiência. Mas ainda enfrenta problemas que podem comprometer a qualidade, conforme a avaliação de estudiosos.

Um desses problemas é a formação dos professores. Segundo Patrícia Behar, professora da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e referência em EaD, esses profissionais precisam ser mais bem treinados. "Eles ainda não sabem preparar o material, explorar as funcionalidades de educação a distância. Não conhecem as ferramentas."

A professora ressalta, contudo, que os educadores já contam com uma "arquitetura pedagógica" mais organizada do que há alguns anos em relação à metodologia, ao conteúdo e às tecnologias. "Há planejamento. Antes, aprendiam à medida que faziam."

É preciso manter os educadores atualizados em relação às novas tecnologias, afirma João Mattar, vice-presidente da ABT (Associação Brasileira de Tecnologia Educacional). "As ferramentas vão mudando, os professores vão ficando perdidos", afirma ele.

A falta de estímulos, inclusive financeiros, para que professores adotem plataformas digitais de aprendizagem é outro problema apontado por Stavros Xanthopoylos, diretor da Abed (Associação Brasileira de Educação a Distância).

"Como obrigar o professor a ter mais atividades? Deveriam incluir em sua carga horária a possibilidade de dar aulas a distância e criar incentivos pelo trabalho a mais", diz, referindo-se às universidades federais.

TUTORES
A desvalorização do tutor, profissional que cria conteúdos e funciona como um auxiliar de professor, é outro ponto negativo, na visão de estudiosos. O tutor acumula muitas tarefas e nem sempre consegue acompanhar os alunos de forma efetiva.

"Ele é generalista e mal remunerado. Tem que dar conta de muitas áreas de conhecimento, faz tutoria de várias disciplinas, e o número de alunos que atende é alto", diz José Manuel Moran, professor aposentado da USP e especialista em novas tecnologias.

Para Moran, isso é reflexo de um modelo pedagógicoque supervaloriza os materiais e a transmissão de informação, em detrimento da participação ativa do aluno.

"A EaD reproduz um modelo que prega autonomia, é verdade, mas ainda está muito centrado em conteúdos. Eles devem ser parte, mas não essenciais", afirma.

O professor defende um modelo com currículos mais seletivos, sem grade fixa, em que o aluno possa selecionar as matérias que deseja cursar de forma mais livre.

O modelo conteudista também é alvo de crítica por parte de Behar. "Devem ser explorados modelos mais construtivistas e abertos a distância, em que possamos construir conhecimento, e que a interação seja maior."

PRECONCEITO
Outro grande obstáculo a ser superado é o preconceito contra essa modalidade de ensino. "Parece que o curso a distância é uma educação inferior. O grande desafio é superar o adjetivo 'a distância' e pensar em educação de modo geral. No fim das contas, o objetivo das duas modalidades é o mesmo,", destaca Fernanda Campos, doutoranda em educação pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

No universo corporativo, a resistência a profissionais formados no ensino a distância cai ano a ano. Mas "falta uma maior conscientização do mercado de que o EaD é tão bom quanto o ensino presencial", segundo Gerson Lachtermacher, que é professor da FGV/Rio.

O importante é estudar sempre, sem discriminação, conclui Xanthopoylos, da Abed: "O país precisa de gente estudada para dar uma guinada nos próximos anos."

Fonte: Folha
Publicado em: 01/08/2016

 

EaD deve superar preconceito e focar em qualidade, dizem especialistas

PUBLICIDADE

A educação a distância avançou nas últimas décadas, tanto em número de alunos quanto em eficiência. Mas ainda enfrenta problemas que podem comprometer a qualidade, conforme a avaliação de estudiosos.

Um desses problemas é a formação dos professores. Segundo Patrícia Behar, professora da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e referência em EaD, esses profissionais precisam ser mais bem treinados. "Eles ainda não sabem preparar o material, explorar as funcionalidades de educação a distância. Não conhecem as ferramentas."

A professora ressalta, contudo, que os educadores já contam com uma "arquitetura pedagógica" mais organizada do que há alguns anos em relação à metodologia, ao conteúdo e às tecnologias. "Há planejamento. Antes, aprendiam à medida que faziam."

É preciso manter os educadores atualizados em relação às novas tecnologias, afirma João Mattar, vice-presidente da ABT (Associação Brasileira de Tecnologia Educacional). "As ferramentas vão mudando, os professores vão ficando perdidos", afirma ele.

A falta de estímulos, inclusive financeiros, para que professores adotem plataformas digitais de aprendizagem é outro problema apontado por Stavros Xanthopoylos, diretor da Abed (Associação Brasileira de Educação a Distância).

"Como obrigar o professor a ter mais atividades? Deveriam incluir em sua carga horária a possibilidade de dar aulas a distância e criar incentivos pelo trabalho a mais", diz, referindo-se às universidades federais.

TUTORES

A desvalorização do tutor, profissional que cria conteúdos e funciona como um auxiliar de professor, é outro ponto negativo, na visão de estudiosos. O tutor acumula muitas tarefas e nem sempre consegue acompanhar os alunos de forma efetiva.

"Ele é generalista e mal remunerado. Tem que dar conta de muitas áreas de conhecimento, faz tutoria de várias disciplinas, e o número de alunos que atende é alto", diz José Manuel Moran, professor aposentado da USP e especialista em novas tecnologias.

Para Moran, isso é reflexo de um modelo pedagógicoque supervaloriza os materiais e a transmissão de informação, em detrimento da participação ativa do aluno.

"A EaD reproduz um modelo que prega autonomia, é verdade, mas ainda está muito centrado em conteúdos. Eles devem ser parte, mas não essenciais", afirma.

O professor defende um modelo com currículos mais seletivos, sem grade fixa, em que o aluno possa selecionar as matérias que deseja cursar de forma mais livre.

O modelo conteudista também é alvo de crítica por parte de Behar. "Devem ser explorados modelos mais construtivistas e abertos a distância, em que possamos construir conhecimento, e que a interação seja maior."

PRECONCEITO

Outro grande obstáculo a ser superado é o preconceito contra essa modalidade de ensino. "Parece que o curso a distância é uma educação inferior. O grande desafio é superar o adjetivo 'a distância' e pensar em educação de modo geral. No fim das contas, o objetivo das duas modalidades é o mesmo,", destaca Fernanda Campos, doutoranda em educação pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

No universo corporativo, a resistência a profissionais formados no ensino a distância cai ano a ano. Mas "falta uma maior conscientização do mercado de que o EaD é tão bom quanto o ensino presencial", segundo Gerson Lachtermacher, que é professor da FGV/Rio.

O importante é estudar sempre, sem discriminação, conclui Xanthopoylos, da Abed: "O país precisa de gente estudada para dar uma guinada nos próximos anos."

Joomla SEF URLs by Artio